Curiosidades

Os animais mais perigosos da Austrália

Publicado por Ligia Ruy

Se você estiver pensando que a fama de selvagem da Austrália é um exagero comercial, melhor rever seus conceitos

Digamos que você chegou à Austrália. São nove da noite, você está aguardando seu transfer do lado de fora do aeroporto para seguir em direção à sua homestay, hotel ou apartamento. Próximo a você está uma árvore, tamanho médio, inofensiva. Até o momento em que você ouve um grito e de lá sai voando uma criatura de aproximadamente um metro. Parece assustador? Mas não é, é só um morcego flying fox, muito comum na Austrália. Ele chega a ter um metro de altura, se alimenta de néctar, pólen e frutas e não faz nenhum mal aos seres humanos.

A Austrália é sim mais selvagem do que estamos acostumados, especialmente nas grandes cidades do Brasil. No país dos cangurus, a vida animal se faz presente até nas mais movimentadas avenidas em forma de morcegos, possums, ibis, kookaburras, lorikeets, perus e muitos outros animais, além dos cangurus, obviamente. Estes, se escondem nos subúrbios, mas em geral, podem ser encontrados num raio de 10 minutos de carro das principais cidades. Apesar de ser comum estranhar a convivência direta com esses amiguinhos no começo do intercâmbio, eles são inofensivos.

Para os surfistas a questão pode ser mais séria. Os tubarões são sempre uma preocupação, pois eles sempre estão a passeio na costa australiana. Além disso, em algumas regiões, a atenção deve ser dobrada, pois crocodilos de água salgada também lutam por um lugar ao sol.

Ficou curioso? Quer saber mais? Confira a lista dos 10 animais mais perigosos da Austrália:

1 – Box jellyfish : a picada venenosa desta água viva pode interromper os batimentos cardíacos em casos severos. Primeiros socorros devem ser feitos no local e uma ambulância deve ser chamada imediatamente.

Box jellyfish

2 – Honey bee: a picada desta abelha causa dor intensa e inchaço. Se a pessoa atingida for alérgica, deve ser levada ao hospital imediatamente.

honey bee

3 – Irukandji jellyfish:

os sintomas da picada desta água viva podem levar de cinco a 45 minutos para aparecer e você pode nem notar que tenha sido picado, já que seu tamanho é de no máximo 2 cm. Porém, os sintomas são intensos, com dores fortes nas costas, cabeça, músculos, peito e abdômen, além de dificuldade em respirar, enjoos e vômito.

Irukandji jellyfish

4 – Bull shark:

essa espécie de tubarão é responsável pela maior parte dos ataques na Austrália. Eles chegam a medir mais de três metros de comprimento.

bull shark

5 – Eastern brown snake:

a espécie de cobras que mais mata pessoas na Austrália pode ser encontrada em Queensland, South Australia e North Territory. Ela se alimenta de outros animais, e com humanos, ataca por medo.

eastern brown snake

6 – Saltwater or estuarine crocodile:

o predador-mor de onde quer que esteja, essa espécie de crocodilo de água salgada vê seres humanos como presas. Ele é mais comum no norte da Austrália. Fique atento e respeite a natureza do animal. Cuide também de animais de estimação correndo próximo ao mar.

estuarine crocodile

7 – Sydney funnel web spider:

comum no estado de New South Wales, essa espécie de aranha tem um veneno que ataca o sistema nervoso dos seres humanos e pode levar à morte em casos extremos. Uma pessoa picada deve receber primeiros socorros imediatamente.
Sydney Funnel-web Spider (Atrax robustus)

8 – Blue-ringed octopus:

a picada deste polvo causa paralisia do sistema respiratório rapidamente. Respiração boca-a-boca é essencial para salvar a vida de alguém que tenha sido picado.
Blue-lined Octopus, Hapalochlaena fasciata

9 – Coastal taipan:

junto à brown snake, ela é uma das cobras mais perigosas da Austrália e seu veneno é extremamente tóxico. Primeiros socorros devem ser aplicados assim que uma pessoa for picada.
Taipan, *** Local Caption *** dangerous iphone app

10 – Common death adder:

o veneno desta cobra é um dos mais tóxicos e, antes da introdução do antídoto, 60% das pessoas morriam quando picadas.

common death adea

Fotos: Australian Museum e Wikipedia

Sobre o autor

Ligia Ruy

Deixe seu comentário

19 + três =